sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Despedida


Um fim
para este começo
é o que mais quero

agora
na pele submersa
no aquário dissolvido
nas lágrimas esquecidas

um fim
para este começo
não é o que mais quero:

minto nas sombras
sem volteio
caracol na solidão
sem aqueles adereços

se não é o fim
é o começo do fim
tardando o dia

os sonhos, os afagos
e os medos,

volúvel,

sangrando no fio das rocas
sem agonia.

6 comentários:

  1. José Carlos, passando para te desejar um ótimo 2012.
    Fique com meu carinho e minha amizade. Lidi.

    ResponderExcluir
  2. José Carlos, tão bom saber que você gostou do meu escrito. Obrigada pelos comentários. Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Um fim para este começo há de nos reinaugurar a vida :)
    Um 2012 digno da sua sensibilidade e do seu talento!
    E venha escrever que você tá mais "mangonhoso" que eu rs
    beijoss

    ResponderExcluir
  4. José Carlos, fico sempre muito feliz com os seus comentários. Obrigada por tuas palavras. E darei o seu abraço a Roberval, sim. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  5. Ainda há pouco lia num outro blog algo do género: tudo tem um fim, mas nunca se aprende a dizer adeus.

    Quis outra força (quiça do destino) que me apetecesse voltar no tempo e conhecer(-te) antes de (te) ter conhecido.

    Pois bem, venho dar de caras com uma despedida, talvez do ano , talvez do próprio 'eu' ou um mero desprendimento.

    Estamos a 30/12/2011 e passados meros 20 dias iniciarei o meu canto desconhecendo que estas viagens no tempo poderiam ser tão prazerosas.

    (informo que há 2 ou 3 blogues a quem gosto de vasculhar os arquivos, espero que não te incomodes que o faça por aqui. Qualquer coisa...avisa, ok?)

    Que este seja o começo de um fim sem agonias, sem medos e bordado a sonhos.

    beijo


    ResponderExcluir