sábado, 27 de outubro de 2012

Diário de Tão Preto II













A casa 66

Só no falar
Só no dizer
Nada de mim
Fatias de vida
Por um fio
Um dente de alho
O olhar raivoso
A banana frita
A batata assada
O malte gelado
O cão engatado
A calçada estreita
A macaxeira cozida
O anzol sem a isca
Depois do amor
O adeus
Os olhos vermelhos
O corpo tremendo
Os trapos do corpo
A cor da minha vida
Um anjo sem cor
Pássaro sem medo
Tenaz persistência
Um pequeno porto
A vida sem detalhes
Por anos a fio
A palafita.

11 comentários:

  1. e assim flutua
    a cor da nossa vida

    belo poema
    abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem-vindo. É uma referência da memória, uma espécie de tempestade cuja significação talvez o sujeito de enunciação alcance na sua plenitude.
      Abraços,

      Excluir
  2. Dia desses postei sobre as casas oníricas. Algo lá citado, falando que as casas do passado, de nossa infância continuam existindo para sempre. Li A casa 66 rememorando a casa da minha avó, que já se foi, casa que se transformou tanto durante minhas visitas, a cada visita...casa que foi feita em cima d'água, que foi aterrada, que pouco a pouco se afastou da maré...Olhei a imagem e li o poema de uma forma vívida. Uma vida que foi real. Estive sobre as águas da casa de minha avó. Palafitas. Lembranças infinitas...Parece tão ontem, e faz tanto tempo.
    Beijos,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As palafitas são memórias vivas. No meu caso não há como apagá-las. São uma referência. E como me empurram para a frente. Sem elas, eu não chegaria à Casa 66.
      beijoss,

      Excluir
  3. José Carlos também Drummond, que beleza de inspiração e poesia encontro nesse domingo nublado de letras e livros aqui na minha terra!
    Essa casa de palafitas é uma casa de poesia, um lar para as palavras e seus letras pródigas.
    Muito muito bonito o que você escreve.
    Muito!
    Beijoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lelena, duas coisinhas :) Me programei para a Feira do Livro de Porto Alegre este ano e, por motivos alheios à minha vontade, não fui; e há certa intimidade com as palafitas, mais do que isso, há estreita relação, íntima, afetiva, afetuosa, fraterna :)as palafitas são um pouco a minha vida...
      beijoss,

      Excluir
  4. Respostas
    1. Tão Preto conheceu as palafitas de perto, Tati. A 66 não é daquela época, mas conheceu outras casas e não foram poucas.
      Abraços

      Excluir
  5. Olá, parabéns pelo blog!
    Se você puder visite este blog:
    http://morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderExcluir
  6. Olá, Morgan,
    Obrigado pela visita. Volte sempre que puder, aqui se dispensa o metrô para visita.
    Grande abraço,

    ResponderExcluir
  7. Por entre um desfiar de palavras se adivinha uma casa 66 num qualquer hemisfério.

    Tão Preto se denunciou...

    Beijo

    ResponderExcluir