sábado, 11 de janeiro de 2014

Resenhando



Vômito de abelha


[...]
 
[...] na Primavera, as flores desabrocham e se colorem e liberam seus olores, o que tem a ver, exata e precisamente, com as abelhas. É que elas, as flores, enfeitam-se e perfumam-se todas pelo mesmo motivo que as fêmeas se enfeitam e se perfumam: para se tornarem atraentes. No caso das flores, óbvio, elas não pretendem atrair nenhum galalau barbudo de vinte e poucos anos de idade, e sim... as abelhas! São as abelhas que, ao sugar o néctar, se roçam no pólen, que fica grudado aos seus pequenos pés. Como elas passam o dia de flor em flor, levam pólen de uma para a outra. E o pólen é, toscamente definindo, o esperma das flores. Logo, as abelhas que fecundam as flores. Quando você vê uma abelha numa flor está de certa forma, vendo uma cena de sexo vegetal, com a inclusão de um animal.
A primavera é mesmo uma festa.
Porto Alegre, setembro 1912.

COIMBRA, David. Vômito de abelhas. In: ____. As velhinhas de Copacabana e outras 49 crônicas que gostei de escrever. Porto Alegre: L&PM, 2013. p. 152.


Acabo de ler as crônicas de David Coimbra escritor, jornalista, atualmente  diretor executivo de Esportes e colunista do Jornal Zero Hora , enfeixadas no livro As velhinhas de Copacabana e outras 49 crônicas que gostei de escrever.
Se David Coimbra gostou de escrevê-las, não posso esconder gostei de lê-las. São de uma leveza tal que, uma vez começada, é quase impossível interromper a sua leitura. Seu texto é, de fato, excelente, mesmo transitando pelo difícil caminho da crônica, por onde muitos se aventuraram e poucos conseguiram chegar do outro lado da estrada. 
Coimbra está de fato à altura do grande mestre Rubem Braga, como bem o disse o jornalista Chico Castro (Jornal A Tarde, Salvador-BA), ao trazer-me um exemplar desembrulhado, como sempre o faz, para dar-me de presente. Sempre que faço um ar de surpresa com o seu jeito tosco, irreverente, de presentear-me, acrescenta: "O Sr. não vai lê-lo embrulhado, não é?". E ri.
Esse gaúcho já publicou A cantada infalível (contos), Um trem para a Suíça (crônicas, reportagens e histórias de viagens), Canibais (romance, seu primeiro romance), dentre outros.
Vale a pena conferir!  
(José Carlos Sant Anna)

Visite o blog da Quarteto Editora

Visite o meu outro blog


5 comentários:

  1. Olá José Carlos, que postagem maravilhosa. Li a crônica " Vômito de abelha", muito interessante a maneira de escrever.Nos dá uma aula em forma de belas frases. Adorei ler. Quisera eu ser a amiga a ganhar tão rico presente, e nem precisava o papel de presente rssssssssss. Parabéns ! Grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Nunca havia pensado deste modo, já vi algumas tantas vezes esta cena.
    Adorei a crônica, aprofundarei com certeza.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Vim conhecer este Preto e achei-o muito luminoso.
    Por aqui morre-se de saudades da primavera.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Esse vômito de abelhas é ótimo, Carlos,
    obrigada por compartilhar .Sou fã de leitura , sem ler o dia fica difícil rs
    abraço grande

    ResponderExcluir