segunda-feira, 8 de junho de 2015

Seara



Depois do rumor de nuvens
desfeitas
uma floração de palavras
um tic-tac de afetos
vibra no ar sem pecúlio
iluminando o rosto do menino

é algo que se desvela
entre o céu e a terra
como se não houvesse outro destino

são as núpcias da chuva
dedilhadas pelos missais do exílio

enquanto as mãos 
esculpem este relicário.

José Carlos Sant Anna


9 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. A chuva sorvida na terra nas raízes vivas duma seara que respira.

    Senti a frescura desse rumor de nuvens desfeitas, das núpcias entre céu e terra.

    Um casamento perfeito e desejável.

    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Agora, uma seara só, não me basta. Quero o firmamento.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir